Design 2022
Ligia Helena
UX Writing Lead na Jüssi
Planejadora, curiosa, detalhista

Se você quer migrar para UX Writing, venha por aqui

Escute este artigo

Se alguém, há dois anos, me dissesse que no final de 2021 eu estaria escrevendo um artigo em primeira pessoa para um projeto chamado Design 2022, eu daria uma gostosa gargalhada. O que eu, uma jornalista, poderia escrever sobre design? 

No final de 2019 eu acumulava quase duas décadas de experiência no jornalismo, e minha maior proximidade com o design era quando eu me reunia com os três talentosos  profissionais que faziam parte do time de 20 pessoas que eu liderava na redação de um grande portal, onde eu era editora-chefe.

Quando escolhi minha profissão, fui levada a crer que iria exercê-la por toda a vida. Investi tempo, dinheiro e dedicação para me especializar. Fui evoluindo dentro da carreira, galgando postos mais altos, formando novos jornalistas. Eu achava que seria assim até eu me aposentar. 

Na prática, há muito tempo que as coisas não são bem assim. Se antigamente as pessoas passavam a vida toda na mesma profissão - às vezes até na mesma empresa! - hoje tudo muda o tempo todo, rápido, e se a gente não muda junto, acaba ficando para trás.

É como o professor Yuval Noah Harari escreveu no livro “21 Lições para o Século 21” (Companhia das Letras), sobre o futuro: “O mais importante de tudo será a habilidade para lidar com mudanças, aprender coisas novas e preservar seu equilíbrio mental em situações que não lhe são familiares”.

Pois bem. Me vi como um exemplo vivo do pensamento de Harari. O mundo girou, o grande portal onde eu trabalhava fechou, a empresa quase faliu, e eu me vi diante de uma vontade: eu não queria mais ser jornalista. Era hora de ser outra coisa na vida. 

Dois anos depois, em dezembro de 2021, começo a me sentir mais a vontade para escrever por aí que eu sou designer. Dá para dizer que eu migrei de carreira, de fato. De vez em quando eu recebo mensagens de assessores de imprensa e respondo sem hesitar: “não sou mais jornalista. Agora, eu sou UX Writer”.

Então quero falar para as pessoas que estão pensando em mudar de carreira e virar UX Writer. Pessoas que acham difícil largar tudo o que construiram até aqui para começar do zero. Eu senti isso tudo também. Mas aprendi algumas coisas no caminho, e quero dividir com vocês:

Você não vai começar do zero

Sua experiência é com matemática pura, e você quer migrar para UX Writing? Você não vai começar do zero. Você se formou em biblioteconomia, mas quer migrar para UX Writing? Você não vai começar do zero. Sua única experiência é na recepção de um escritório, e você quer se tornar UX Writer? Você não vai começar do zero. 

É claro que existem habilidades técnicas que talvez você não tenha. É claro que você vai ter de estudar e aprender muitas coisas novas. Mas você não é uma página em branco. Muito do que você aprendeu ao longo da vida vai ser usado em UX Writing. 

E não são apenas as habilidades técnicas que contam pontos quando você busca um trabalho. As habilidades interpessoais às vezes são até mais importantes. Eu, pessoalmente, valorizo mais a curiosidade, a facilidade em conversar, o interesse no outro, do que o conhecimento de metodologias e ferramentas de trabalho. É mais fácil aprender habilidades técnicas do que habilidades interpessoais, na minha opinião

Em resumo: não deixe que a falta de experiência na nova área de trabalho iniba sua vontade de mudar. Identifique suas melhores qualidades, como elas podem ser aplicadas na nova profissão e lembre-se disso quando for vender seu peixe em uma entrevista. 

Você pode inventar a sua experiência

Ok, você entendeu que não está começando do zero ao mudar de carreira. Mas como se candidatar a vagas de UX Writing sem nenhuma experiência prévia? Isso é uma questão, especialmente se você vem de uma área em que a escrita não é matéria-prima do seu trabalho.

Digo isso porque jornalistas, profissionais de letras e afins geralmente têm boas amostras pelo menos do “writing”. Resta demonstrar algum conhecimento ou experiência em UX e conectar as duas coisas de forma que faça sentido. 

Mas para quem vem de outras áreas, é possível inventar a experiência. Calma: não estou sugerindo que você falsifique seu currículo e minta na entrevista. Estou sugerindo que você, no conforto de seu lar, crie algumas amostras fictícias de trabalho de UX Writing. 

Depois de ler, pesquisar e estudar sobre o tema, fazendo cursos ou mesmo por conta própria, comece a praticar. Quando sentir segurança, arrisque alguns estudos de caso e deixe tudo documentado. Ofereça seu trabalho como UX Writer para uma ONG de forma voluntária, assim você pode praticar e ajudar alguém ao mesmo tempo.

Se você ainda não tem um belo currículo na área, ou empresas e pessoas que atestem a qualidade do seu trabalho, vai ter de mostrar sua experiência de outra forma. 

Assim, quando você for ao mercado, vai ter trabalho para mostrar. Aqui, nem quero falar sobre portfólio, porque não quero dar um peso desnecessário a algo que pode simplesmente ser uma amostra do que você sabe fazer. 

Lembre-se de documentar os porquês de você ter tomado as decisões que tomou em cada texto modificado, que tipo de pesquisa fez, e, se houver, os resultados decorrentes das mudanças que você sugeriu.

Isso pode fazer toda a diferença na hora de disputar uma vaga. 

Se possível, não volte atrás

Vamos falar sobre dinheiro aqui, ok? É natural que, ao migrar de carreira, a gente pense que vai ter de voltar algumas casinhas no tabuleiro do jogo da vida. Afinal de contas, parece que a gente está começando do zero, então vai ter de ser júnior de novo…

Mas lembre-se do item número 1. Você não está começando do zero. Toda sua experiência de vida conta. Então, se possível, não caia na tentação de voltar atrás na sua senioridade e no seu salário. 

Ousado, eu sei. Quando eu estava começando o processo de mudar de carreira, me candidatei a algumas vagas júnior. E estava disposta a ganhar muito menos, na humildade, para poder ingressar no mercado. Mas ouvi esse conselho de alguém que considero minha mentora na profissão: “não aceite ganhar menos. Você não é júnior”.

Nada contra os profissionais juniores, todos já fomos. Mas de fato, com quase 20 anos de carreira no jornalismo, tendo liderado times, batendo metas mensalmente, eu não era júnior. Quando eu entendi isso, passei a dizer “não” para quem me oferecia menos do que eu queria e considerava merecer. Até encontrar a vaga onde eu cabia. 

E por que eu digo para não voltar atrás se for possível? Porque eu sei que eu tive o privilégio de poder dizer não para as vagas que eu julgava aquém da minha capacidade. Sei bem que há muita gente que não pode ficar sem salário. Que precisa aceitar o que está disponível, e depois tentar ganhar mais. 

Mas, na medida do possível, não se diminua. Candidate-se para vagas condizentes a sua senioridade profissional adquirida ao longo da vida, não leve em consideração apenas o capítulo mais recente da sua história.

Tenha humildade para aprender todos os dias

Mesmo se você tem anos e anos de experiência no mercado de trabalho, lembre-se de que você decidiu desbravar um novo território. Nesse novo mundo, suas habilidades prévias têm valor, sua senioridade conta, mas isso não significa que você sabe tudo. Aliás, é bem provável que você saiba muito pouco sobre esse novo território. 

Ser humilde não faz mal a ninguém. Conheça suas limitações e fraquezas e tenha a grandeza de dizer que você não sabe tudo, que você está aprendendo. A verdade é que estamos todos aprendendo, diariamente. 

Além disso, ser iniciante na profissão dá carta branca para fazer perguntas sem medo nem vergonha. Se você conseguir manter esse espírito de iniciante para sempre, estará no caminho certo. Duvide de quem parece saber todas as respostas. Na nossa profissão, vale mais fazer perguntas, sempre.

Ligia Helena

Acordo cedo, gosto do silêncio, tenho muitas dúvidas e adoro procurar pelas respostas. Acho que seria uma excelente detetive, mas, por segurança, preferi fazer outras investigações.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021
Design nas organizações: a importância da definição de papéis
Bianca Galvão
Se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve
Tereza Alux
Não é sobre você, “designer”
Nelio Lino Ramos Rodrigues
Desafios para elevar a maturidade de design nas empresas
Larissa Ferreira Cruz
Liderança e Diversidade em Design de Produtos
Sara Bernardino
Design, desesperança e regeneração
Viviane Tavares
Mad Max, os fundamentos e o futuro do Design
Keyle Barbosa
Os desdobramentos da pessoa profissional UX Writer
Willian de Oliveira Magalhães
Carta para novos designers
Kathleen Repasche
Ainda vale a pena fazer análise heurística?
Elizete Ignácio
Design System, como escalar acessibilidade no seu produto digital
Maju Santos
Precisamos temer as consequências de tudo que projetamos
Suzi Sarmento
Quem tem medo da pesquisa qualitativa?
Bruna Alves Maia
UX da Questão: a linguagem neutra como pauta de acessibilidade e inclusão
Allen Saoirse Ximenes
4 oportunidades de crescer e ser mais produtivo como designer durante a pandemia
Thais Souza
Design Ontológico - Projetando o ser humano
Conrado Cotomácio
Meu primeiro hackathon como UX Designer
Gabriella Chagas
Migrei para UX Writing. E agora?
Natasha Morello
Que tal ajudar a redesenhar experiências de aprendizado?
Daniel Lopes
Quando desistir não é um passo para trás
Marina Neta
Metaverso: eu fui!
Roberto Rodrigues Júnior
A jornada não é uma reta
Bruno Katekawa
Como NFTs vão revolucionar o Mundo
Odair Faléco
Criando a cultura de design remotamente e integrando time
Josias Oliveira
Será que esquecemos de fazer perguntas?
Apparicio Bueno Ferreira Junior
Precisamos parar de subestimar o Visual Design
Victor Augusto
Design camaleão: o poder da adaptação e a importância do contexto
Thaís Falabella Ricaldoni
Existe esse tal de “glamour” em ser líder em Design?
Vanessa Serradas
Uma conexão UX & Produto
Rafael Brandão
"Não reparem na bagunça": A quem estamos cativando?
Isabela Sousa Guimarães
Nada jamais é influenciado (ou influencia) em apenas uma direção
Luciana Terceiro
Desafios do designer deste século
Rafael Coronel
Confissões de um design manager na pandemia
Eduardo Insaurriaga
Do zero a uma carreira internacional como designer
Andressa Belém
Futures Thinking: a metodologia dos inquietos
Yasmin Conolly
Brandbooks deveriam abraçar novos hábitos e virar arquivos abertos
Guta Tolmasquim
O que muda na perspectiva de uma profissional do design após a maternidade?
Caroline Kayatt
Dias Passados de um Futuro Possível
Leonardo Lohmann
O futuro do design é sensorial
Juliana Franchin
Pensamentos sobre o papel do UX Designer dentro de uma equipe de jogos
Leandro Lima
Empatia, Compaixão Racional e Design Inclusivo
Denise Pilar
Vamos antropofatizar
Guilhermo Reis
Por que você trabalha no RH?
Mikaela Alencar
O amadurecimento do UX tem que ir além dos frameworks
Beatriz Figueiredo
UX Writing: a construção do texto e a variação linguística do Brasil
Jeane Bispo
Cuide das pessoas ao seu redor
Edi Fortini
Maturidade no Design
Guilherme Zaia Lorenz
Quais mudanças você quer ver no (seu) mundo de Design em 2022?
Danielle Kawasaki
Eu não sei
Emerson Niide
Estética, Significação e Experiência
Fernando Paravela
Content design, acessibilidade, design inclusivo e o saco vazio que não para em pé
Cecí Romera
Designers e a construção de repertórios diversos
Thayse Ferreira
Que tipo de relações estamos projetando?
Luciana Martins
Como o contexto de Pandemia nos ensinou a importância de ajudar ao próximo
Sérgio Silva
100 UX Designers iniciantes para chamar para entrevistas em 2022
Leandro Borges de Rezende
Ser designer é perder o equilíbrio momentaneamente
Gessé Celestino
Mentoria e planejamento de carreira como a alavanca para o próximo nível da área de UX
Agnes Reis
Não vejo problema no design brasileiro
Janaína de Siqueira Bernardino
A saúde mental da Mulher-Maravilha moderna e a jornada pelo autoconhecimento
Mariana Ozaki
Desenhistas de conteúdo num mundo híbrido
Gabriel Pêra
O futuro do product design é o service design
Vanessa Pedra
A derrocada do usuariocentrismo
Frederick van Amstel
O principal ato de design de 2022
Alessandra Nahra
Liderando líderes de design
Adri Quintas
não clique
]]]][[piol'''